Oportunidades

Publicado em Maio de 2013
Creio que minha inspiração para escrever tenha voltado (definitivamente não sei se isto pode ser considerado bom ou ruim... Na verdade, não sei nem se em algum momento houve tal inspiração.)
Obviamente, eu não poderia deixar esta oportunidade de me expressar e atirar ideias apenas passar. E é justamente sobre oportunidade que quero escrever hoje.

Esta semana, não lembro o contexto exatamente, estava eu conversando com meu pai e ele falou uma frase que provavelmente todos nós já escutamos uma vez na vida (dita por alguém normalmente mais experiente): "Cavalo encilhado não passa duas vezes".
Como peguei o costume de analisar as coisas comuns e os pequenos detalhes da vida, fiquei pensado a respeito desta frase sem apenas aceita-la e concordar, como esmagadora maioria das pessoas fazem. "O que será que este dito popular quer dizer (além do óbvio)?"

Será mesmo que uma boa oportunidade aparece apenas uma vez na vida? Ou será que é apenas uma vez por dia? Ou, então, será que significa "Ok, indivíduo. Isto aqui é o que eu, universo, posso te fornecer de melhor qualidade e sem muito esforço pra ti, mas apenas uma vez. Se tu não aproveitares, terás que criar a tua própria boa oportunidade"?

Depois de pensar um pouco a respeito e a não chegar em nenhuma real conclusão, mudei o foco.
Quantas oportunidades posso ter perdido, ou estar perdendo? Será que alguma delas foi o meu "Cavalo encilhado"? Será que essa oportunidade nem sequer me apareceu ainda? Ou será que (o que acredito mais) essa oportunidade é sempre uma composição de pequenas oportunidades diárias bem aproveitadas?
Passei a tentar ver o dia-a-dia com outros olhos, com uma visão mais focada em enxergar estas pequenas oportunidades (e não apenas esperar apenas pelas grandes). Me arriscaria até em dizer que passei a ter um pensamento um pouco mais otimista.

Em contrapartida, pensei em quantas oportunidade já posso ter perdido ou estar perdendo a cada momento. Esta perda de oportunidades pode ser por mero desinteresse em enxerga-las, falta de recursos (incluo aqui dinheiro e tempo) ou até pelo fator "Escolha" (acho que o melhor exemplo é o "Ah, não quero ir...").
Ao menos, "antes tarde do que nunca". Perceber o possível desinteresse é o primeiro passo para corrigi-lo.
Como já disse, passei a ver as coisas diferentemente. Passei a buscar as pequenas oportunidade diárias, aceitar mais. dizer mais "Sim"s, pois afinal uma oportunidade pode estar ali, esperando para ser aproveitada. Mas claro, não é uma questão de dizer "Sim" para tudo, muito menos bancar o ingênuo (um filme que recomendo sobre isto é "Sim senhor" com Jim Carrey. Meio bobinho, mas ótimo para este contexto).

Infelizmente, uma das outras formas de perder oportunidades ainda me assombra: Falta de recursos. Quantas vezes perdi a oportunidade de me divertir com amigos pelo simples fato de não ter tempo ou dinheiro...

Tempo é complicado... como já disse em outro texto, "Tempo é questão de prioridade", mas um prova de faculdade ou o trabalho diário acabam inutilizando esta lista de prioridades... Se tu nunca tiveste que responder a um convite para uma janta com amigos com a frase "Ih, droga, tenho prova no dia seguinte... tenho que estudar", das três, uma: Tens uma sorte descomunal, não tens amigos ou optou por uma nota baixa. Sim, entendo que este é um caso em que não temos muitas opções disponíveis. Perder oportunidade de se divertir por questões de tempo faz parte da vida.
Mas há outras oportunidades que se perde pelo mesmo motivo (ou desculpa). Às vezes, pais perdem a oportunidade de ver os seus filhos crescerem por estarem muito preocupados com trabalho. Perdemos a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas pelo simples fato de dizer "Não quero ir naquele aniversário chato de criança...", ou em dizer "Desculpe, não faço este tipo de trabalho" (quase caí nesta esses dias...)

Dinheiro é tão ruim quanto (ops, não, dinheiro em si não é nada ruim...Pelo contrário, sua ausência que é!).
Ainda usando o campo da amizade como exemplo: Se alguns dos teus amigos te convidam para um passeio ou algo diferente mas que exija alguma quantidade de dinheiro (um Show, talvez) e respondes com a clássica frase "Xi, to sem grana". Pronto, acabaste de perder uma oportunidade de diversão. Entendo muito bem que, normalmente, esta perda não foi intencional, mas nem por isso deixa de ser uma perda.
Outras formas de perder uma oportunidade por questões financeiras: Um conhecido te diz "Bah, to vendendo aquele meu carro... Tá novinho, mas to precisando de dinheiro rápido... Tive uns problemas aí. Ta afim de comprar?" e tu sabes que é um excelente carro, e ele está de fato com o preço bem a baixo do mercado. Se tens dinheiro, acabaste de aproveitar uma ótima oportunidade de adquirir algo bom de forma barata. Imagine agora outra situação: Aparece uma pessoa interessante na tua vida, então te motivas a fazer algo para te aproximar desta pessoa (criatividade... criatividade...). Quanto maior for a tua limitação financeira, menos oportunidades terás...

Há uns bons dias atrás propus um desafio a mim mesmo: Sempre ir dormir sabendo algo a mais que ao acordar. Seja algo simples como aprender algumas palavras novas a até informações mais complexas sobre contabilidade (Não me pergunte por que logo contabilidade... Foi um exemplo). Desde o momento em que parei para pensar em oportunidades, propus um outro desafio: Ao deitar, enumerar quais as oportunidades aproveitadas durante o dia e quais as desperdiçadas, em todos os campos da vida. A lista das aproveitadas deve ser maior que a das desperdiçadas, caso contrário, não foi um bom dia.
Desde então, tive alguns dias com muitas oportunidades aproveitadas e poucas desperdiçadas, assim como tive dias invertidos (ainda bem que foram poucos). Mas notei algo que chamou a minha atenção: Nenhum dia fiquei sem oportunidades!
Talvez algumas fossem pequenas oportunidades, nada muito expressivo. Mas houveram outra maiores...
Obviamente nenhuma delas (ou poucas, talvez) caíram do céu. Elas foram vistas e, em alguns casos, criadas por mim. Eu poderia ter permanecido inerte, esperando por ela, mas optei por inverter este fluxo... "Se Maomé não vai a montanha..."
Espero conseguir manter este ritmo ou até aumentá-lo. Creio que assim, a vida só melhore (Ou, pelo menos, como diz o Arquivo-X: "I want to believe").

Para finalizar, perguntas (sim, dessa vez elas voltaram, não perdi a mão nisso. Ainda)
Já perdeste alguma oportunidade que poderia ser a "Grande Oportunidade da tua vida"? Ou acreditas que esta tal oportunidade ainda não apareceu?
Independente das respostas, elas são absolutamente supérfluas.
As resposta que importam são as das seguintes perguntas: Tens olhado pras tuas oportunidades diárias? Tens aproveitado todas (ou ao máximo possível) as que aparecem todos os dias? Tens te esforçado para não apenas deixá-las passar? Tens consciência de que nunca aparecerá uma oportunidade para ti se não fores atrás dela? Por fim, qual a grande oportunidade que queres buscar?

Obs: Adoraria ler estas respostas nos comentários abaixo. Porém, só por te fazer pensar nelas, já me dou por satisfeito, pois assim estou aproveitando a minha oportunidade de tentar melhorar um pouco a vida das pessoas que passam pelo meu caminho, mesmo que apenas com palavras e ideias.